???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/1949
Tipo do documento: Dissertação
Título: Efeitos da pressão positiva nas vias aéreas, na responsividade brônquica, na inflamação, modulação autonômica e no controle clínico da asma de crianças e adolescentes
Título(s) alternativo(s): Effects of positive airway pressure, bronchial responsiveness, inflammation, autonomic modulation, and clinical control of asthma in children and adolescents
Autor: David, Maisi Muniz Cabral 
Primeiro orientador: Costa, Dirceu
Primeiro membro da banca: Costa, Dirceu
Segundo membro da banca: Jorge, Luciana Maria Malosá Sampaio
Terceiro membro da banca: Forti, Eli Maria Pazzianotto
Resumo: Contextualização: A asma é caracterizada por hiperreatividade das vias aéreas. Quanto a modulação autonômica, sabe-se que em pacientes asmáticos há um predomínio da atividade parassimpática, o que é diretamente proporcional a sua gravidade, e uma resposta anormal do sistema nervoso autonômico (SNA) frente a ao exercício e a aplicação de pressão positiva nas vias aéreas. A partir desta contextualização surgiram duas hipóteses que foram testadas: a pressão positiva nas vias aéreas atuaria agudamente na modulação autonômica pós-teste de broncoprovocação por exercício (BIE), o tratamento ambulatorial poderia reduzir a responsividade brônquica. Objetivos: Avaliar a modulação autonômica da FC, as respostas clínicas durante o teste de broncoprovocação e durante a aplicação de pressão positiva após o teste (estudo 1); avaliar os efeitos da pressão positiva na hiperreatividade brônquica, na inflamação pulmonar e no controle clínico da asma (estudo 2). Métodos: Deste projeto originou-se dois estudos, um transversal no qual foi feita a avaliação de 55 pacientes com variabilidade da frequência cardíaca (VFC) em repouso, durante o teste de BIE (trecho estável), em repouso após 10’ do BIE e durante a pressão positiva com binível pressórico além de uma avaliação antropométrica da inflamação e função pulmonar, e o controle clínico pelo questionário ACQ6. Um ensaio clínico randomizado controlado e cego no qual 64 pacientes foram tratados sendo 22 com binível pressórico IPAP=12 e EPAP de 8, 22 com CPAP de 8 cmH2O e 20 como grupo controle com treinamento muscular respiratório (TMR), 40% da pressão inspiratória máxima. Foram tratados no ambulatório por 10 sessões, as avaliações consistiram de espirometria, teste de broncoprovocação por exercício, manovacuometria, inflamação pulmonar (FeNO), controle clínico (ACQ6). Ambos foram aprovados pelo comitê de ética e pesquisa (parecer 1487225/2016) e o ensaio clínico foi registrado no clinical trials (NCT- 02939625). Resultados: Foram avaliadas 55 crianças asmáticas no estudo 1, que foram divididas em resposta ao teste de broncoprovocação como respondedoras (GR) (n=39) e não respondedoras (GNR) (n=16). Foi constatada uma diferença significante tanto no domínio do tempo (DT), quanto no domínio da Frequência (DF) da VFC, indicando uma inibição do sistema nervoso parassimpático durante o teste de BIE que não retornou em níveis basais após 10 minutos de repouso, mas sim após a utilização da VNI nos dois grupos, porém a inibição parassimpática durante o teste de broncoprovocação no GR foi maior e mais intensa que no GNR. No estudo 2 foram avaliadas 68 e tratadas 64 crianças. Os 3 grupos apresentaram diferença clínica quanto ao controle da asma partindo de um controle parcial para um controle total (<0,75 com variação no escore > ou = a 0,5). No grupo binível houve redução do FeNO de 17,4 ppb com effect size de 2,43 e redução da responsividade brônquica no teste de broncoprovocação que antes do tratamento apresentava redução do quinto ao vigésimo minuto e nos pós tratamento do quinto ao décimo apenas. No grupo CPAP houve melhora no FeNO de 15,7 com effect size de 2,46 e redução na responsividade brônquica que antes do tratamento apresentava redução significante do VEF1 do quinto ao décimo e no pós apenas no quinto. O grupo TMR não apresentou diferença nem na função pulmonar nem na responsividade. Conclusão: Estudo 1 concluiu-se que o GR apresentou pior controle clínico e redução do VEF1 mais acentuada no 5 e 10 minutos, além de uma regulação autonômica menos estável que o GNR. Em ambos os grupos a VNI auxiliou no retorno da atividade autonômica aos níveis basais após o teste de broncoprovocação por exercício. Estudo 2, a terapia com pressão positiva mostrou ser eficaz na redução da responsividade brônquica, da inflamação pulmonar e no controle clínico da asma
Abstract: Context: Asthma is characterized by hyperreactivity of the airways. As for autonomic modulation, it is known that in asthmatic patients there is a predominance of parasympathetic activity, which is directly proportional to its severity, and an abnormal response of the autonomic nervous system (ANS) to exercise and the application of positive pressure in the Airways. From this contextualization two hypotheses emerged that were tested: positive airway pressure would act acutely in autonomic modulation post-exercise bronchoprovocation by exercise (BIE), outpatient treatment could reduce bronchial responsiveness. Objectives: To evaluate the autonomic modulation of HR, clinical responses during the bronchoprovocation test and during the application of positive pressure after the test (study 1); To evaluate the effects of positive pressure on bronchial hyperreactivity, pulmonary inflammation and clinical control of asthma (study 2). Methods: Two studies led to two studies, a cross-sectional study in which 55 patients with resting heart rate variability (HRV) were evaluated during the BIE (stable stretch) test, at rest after 10 'of BIE, and During positive pressure with pressure bile plus an anthropometric evaluation of inflammation and pulmonary function, and clinical control using the ACQ6 questionnaire. A blinded randomized controlled trial in which 64 patients were treated, 22 with CPAP = 12 and CPAP of 8, 22 with CPAP of 8 cmH2O and 20 as control group with respiratory muscle training (TMR), 40% inspiratory pressure Maximum. Patients were treated in the outpatient clinic for 10 sessions; the evaluations consisted of spirometry, bronchoprovocation test per exercise, manovacuometry, pulmonary inflammation (FeNO), clinical control (ACQ6). Both were approved by the ethics and research committee (opinion 1487225/2016) and the clinical trial was recorded in clinical trials (NCT-02939625). Results: Fifty-five asthmatic children were evaluated in the study 1, who were divided in response to bronchoprovocation test (GR) (n = 39) and no responder (GNR) (n = 16). A significant difference was observed in both the time domain (TD) and the HRV frequency domain, indicating inhibition of the parasympathetic nervous system during the BIE test, which did not return at baseline after 10 minutes of rest, but After the use of NIV in both groups, but the parasympathetic inhibition during the bronchoprovocation test in the GR was higher and more intense than in the GNR. In the study 2, 68 were evaluated and 64 children were treated. The 3 groups presented a clinical difference regarding the control of asthma, starting from a partial control for a total control (<0.75 with variation in the score> or = 0.5). In the bilevel group there was a reduction of FeNO of 17.4 ppb with effect size of 2.43 and reduction of bronchial responsiveness in the bronchoprovocation test, which before the treatment showed a reduction from the fifth to the twentieth minute and in the fifth to the tenth treatment only. In the CPAP group there was improvement in FeNO of 15.7 with effect size of 2.46 and reduction in bronchial responsiveness that before treatment showed a significant reduction of FEV1 from the fifth to the tenth and in the post only in the fifth. The TMR group showed no difference in lung function or responsiveness. Conclusion: Study 1 concluded that RG presented worse clinical control and a marked reduction in FEV1 at 5 and 10 minutes, in addition to a less stable autonomic regulation than GNR. In both groups, NIV assisted in the return of the autonomic activity to the basal levels after the bronchoprovocation test per exercise. Study 2, positive pressure therapy was shown to be effective in reducing bronchial responsiveness, pulmonary inflammation and clinical control of asthma.
Palavras-chave: sistema nervoso autônomo
ventilação não invasiva
broncoespasmo induzido pelo exercício.
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Nove de Julho
Sigla da instituição: UNINOVE
Departamento: Saúde
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação
Citação: David, Maisi Muniz Cabral. Efeitos da pressão positiva nas vias aéreas, na responsividade brônquica, na inflamação, modulação autonômica e no controle clínico da asma de crianças e adolescentes. 2016. 92 f. Dissertação( Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação) - Universidade Nove de Julho, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/1949
Data de defesa: 13-Dec-2016
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Maisi Muniz Cabral David.pdfMaisi Muniz Cabral David1,07 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.