Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/909
Tipo do documento: Tese
Título: Órteses na marcha de crianças com paralisia cerebral: estudo clínico aleatorizado controlado
Título(s) alternativo(s): Órteses na marcha de crianças com paralisia cerebral: estudo clínico aleatorizado controlado
Autor: Pasini Neto, Hugo 
Primeiro orientador: Oliveira, Cláudia Santos
Primeiro membro da banca: Rocha, Nelci Adriana Cicuto Ferreira
Segundo membro da banca: Biasotto-gonzalez, Daniela Aparecida
Terceiro membro da banca: Carvalho, Paulo de Tarso Camillo de
Quarto membro da banca: Galli, Manuela
Quinto membro da banca: Przysiezny, Wilson Luiz
Resumo: INTRODUÇÃO: A principal alteração presente nas crianças com PC é o comprometimento motor. Para isso, diferentes intervenções terapêuticas buscam favorecer o controle motor seletivo, entre elas, as órteses. Diferentes tipos de orteses são utilizadas com esse objetivo, destacando o uso das órteses fixas e articuladas. Considerando que as palmilhas posturais tem o objetivo de reorganizar a mecanica postural e reorganizar o tonus muscular, essa pode exercer um papel semelhante as das órteses convencionais. OBJETIVO: Avaliar e comparar diferentes tipos de órteses na marcha de crianças com paralisia cerebral. METODOLOGIA: Inicialmente foi realizada uma revisão sistemática da literatura considerando os seguintes critérios de inclusão: (1) desenho: ensaio clínico controlado; (2) população: crianças e adolescentes com paralisia cerebral; (3) intervenção: órteses rígidas ou articuladas; (4) desfecho: melhora da função motora e desempenho da marcha. Em seguida, foi realizado um ensaio clínico aleatorizado controlado duplo cego no qual após cumprimento dos aspectos legais e os critérios de elegibilidade, 10 crianças entre 4 e 12 anos foram divididas aleatoriamente em grupo controle (12) e grupo experimental (12). As crianças do grupo controle fizeram uso da palmilha placebo e as crianças do grupo experimental das palmilhas posturais. Essas palmilhas foram confeccionadas em etilvenilacetato, que no caso das palmilhas posturais, receberam termomoldagem para fixação das peças podais relacionadas a correção postural e no caso das palmilhas placebos não receberam as peças de correção. Com relação a avaliação, essa foi composta pela análise tridimensional da marcha e foi realizada antes, imediatamente após, 3 meses após o uso a aplicação das palmilhas e após um mês sem o uso das mesmas. Essa avaliação foi realizada através do sistema SMART-D 140® - BTS Engineering com oito câmeras e foram considerados para a análise estatística os parâmetros temporais da marcha. A análise dos dados considerou a aderência a curva de Gauss, pelo teste Kolmogorov- Smirnov e como esses apresentaram-se paramétricos, foram expressos em média (desvio padrão ou intervalo de confiança de 95%). Para análise intergrupos foi utilizado o teste t independente e para análise intragrupo foi utilizada ANOVA de medidas repetidas. RESULTADOS: Na revisão sistemática, foram encontrados sete estudos controlados que compararam o efeito das órteses fixas e articuladas apontando diferentes indicações terapêuticas para cada uma delas. Já, com relação ao efeito imediato das palmilhas posturais pode se observar um aumento significativo dos parâmetros relacionados a cadência e velocidade da marcha nas crianças do grupo experimental quando comparado as crianças do grupo controle, bem como, melhora funcional do tornozelo, joelho e quadril. CONCLUSÃO: Considerando essa fase preliminar do estudo, observa-se que as crianças classificadas como nível I e II da escala GMFCS que apresentam pequena espasticidade e contratura muscular se beneficiam mais das órteses que favorecem a função visto que essas possibilitam maior liberdade funcional associada a estimulos corretivos.
Abstract: INTRODUCTION: The main change present in children with CP is the motor impairment. For this, several therapeutic interventions seek to promote the selective motor control, among them the orthoses. Different types of orthotics are used for this purpose, highlighting the use of fixed and articulated orthoses. Whereas the postural insoles aims to reorganize and rearrange mechanical postural muscle tone, that may play a role similar to the conventional orthoses. OBJECTIVE: To evaluate and compare different types of orthoses on gait of children with cerebral palsy. METHODS: a systematic review of the literature considering the following inclusion criteria was done: (1) design: a controlled clinical trial, (2) population: children and adolescents with cerebral palsy (3) Intervention: rigid or articulated orthoses, (4 ) outcome: improvement in motor function and gait performance. Next, we conducted a randomized controlled double blind in which after meeting the legal aspects and the eligibility criteria, 10 children between 4 and 12 years old were randomly divided into a control group (12) and experimental group (12). Children in the control group used the placebo insole and children in the experimental group used postural insoles. These insoles were made in ethylene vinyl acetate, which in the case of postural insoles, received thermoforming to fasten the foot problems related to postural correction and in the case of placebos insoles did not receive the correct parts. In relation to evaluation, this was composed of three-dimensional gait analysis and it was performed before, immediately after, 3 months later and 1 month without application of insoles. This evaluation was performed using the SMART-D 140 ® - BTS Engineering with eight cameras and were considered for statistical analysis the temporal parameters of gait. Data analysis considered the adherence to the bell curve, by Kolmogorov-Smirnov and how they were presented parametric, were expressed as mean (standard deviation or confidence interval of 95%). For intergroup analysis it was used the independent t test and intragroup analysis was used repeated measures ANOVA. RESULTS: In the systematic review, seven controlled studies comparing the effect of orthoses fixed and articulated were found and they showed different therapeutic indications to each one. In relation to the immediate effect of postural insoles it is possible to observe a significant increase in parameters related to gait velocity and cadence in children in the experimental group compared to control group. CONCLUSION: Considering this preliminary phase of this study, it was observed that children classified as level I and II of the GMFCS scale showing small spasticity and muscle contracture benefit more of orthoses that favor function since these allow greater freedom associated with functional stimuli correctives.
Palavras-chave: paralisia cerebral
marcha
órteses
palmilha postural
cerebral palsy
gait
orthoses
postural insole
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Nove de Julho
Sigla da instituição: Uninove
Departamento: Saúde
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação
Citação: PASINI NETO, Hugo. Órteses na marcha de crianças com paralisia cerebral: estudo clínico aleatorizado controlado. 2013. 96 f. Tese (Doutorado em Saúde) - Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/909
Data de defesa: 20-Jun-2013
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Hugo Pasini.pdf1,25 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.