???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/1995
Tipo do documento: Dissertação
Título: Fluxos de gases de efeito estufa [GEE] em florestas urbanas de São Paulo, SP: uma análise da contribuição das áreas verdes na resiliência da cidade
Título(s) alternativo(s): Greenhouse gas [GHG] flows in urban forests of São Paulo, SP: an analysis of the green area's contribution in city resilience
Autor: Souza, Raquel Cristina de 
Primeiro orientador: Ferreira, Maurício Lamano
Primeiro membro da banca: Ferreira, Maurício Lamano
Segundo membro da banca: Leite, Carlos
Terceiro membro da banca: Camargo, Plínio Barbosa de
Resumo: Desde a Revolução Industrial, as emissões de GEE crescem a cada década. Com isso, o planeta fica cada dia mais quente, com secas extremas e chuvas intensas. Os gases de efeito estufa são fundamentais para manter o planeta aquecido, porém o que preocupa é o aumento expressivo das concentrações na atmosfera. As atividades humanas contribuem para essas emissões destes gases, principalmente, por meio do desmatamento e queima de combustíveis fósseis. Nas cidades, as florestas perdem espaço para as construções, que acompanham o tamanho da população. Além do valor estético, as florestas urbanas têm papel fundamental e necessário na oferta de serviços ecossistêmicos, além de representar um referencial urbanísticos. Devido ao seu alto potencial em sequestrar carbono, os solos de áreas verdes urbanas podem ser considerados ótimos compartimentos no aumento da resiliência das cidades, frente a futuros cenários de extremos climáticos. Assim, este trabalho teve como objetivo estimar as emissões dos gases de efeito estufa [CO2, CH4 e N2O], a partir do solo de quatro florestas urbanas, distribuídas em um sentido centro-periferia, sendo as áreas o Parque Trianon [PT], o Parque Alfredo Volpi [PAV], o Parque Estadual das Fontes do Ipiranga [PEFI] e o Parque do Carmo [PC]. A partir das coletas foram avaliados o efeito do tamanho e/ou localização geográfica da floresta urbana na emissão de GEE, além das possíveis correlações entre fatores meteorológicos e edáficos (temperatura e umidade). Em relação às emissões de metano se observou que os maiores valores foram registrados no PEFI e os menores no PT. Em relação ao CO2 e N2O as maiores medianas registradas ocorreram no PT, provavelmente associadas ao maior teor de matéria orgânica presente no solo. Observou-se que algumas variáveis meteorológicas se relacionaram às emissões de GEE, com destaque para a temperatura média do ar vs. emissão de dióxido de carbono [CO2] e óxido nitroso [N20], além de precipitação e excesso hídrico com estes mesmos gases, respectivamente. A precipitação pluviométrica apresentou relação inversa com a emissão de CH4. Notou-se ainda baixa associação entre os estoque de carbono [C] e nitrogênio [N] do solo com as emissões de CO2, e N2O. A análise multivariada não métrica multidimensional [NMDS] mostrou agrupamentos homogêneos, com destaque para o PT que se destacou das outras três áreas de estudo. Os resultados demonstraram que as florestas urbanas funcionam como bons reservatórios de C e N e que políticas públicas, tais como o Plano Municipal da Mata Atlântica, poderiam se basear nos resultados deste trabalho para propor o aumento de áreas protegidas, que contribuam para a manutenção de importantes processos ecológicos chave na resiliência das cidades, frente às mudanças climáticas. Em síntese, os solos mostraram baixos fluxos de GEE emitidos e alto potencial de estoque de C e N, o que lhes confere um papel importante como reservatórios destes elementos. O PT foi o parque que se destacou dos demais, seja para a emissão de CH4 ou dos outros compostos [CO2 e N2O], fato que reforça que, tanto o tamanho da área, quanto a sua localização ou estrutura edáfica são atributos relevantes na dinâmica do C e N em áreas urbanas.
Abstract: Since the Industrial Revolution, GHG emissions have grown every decade. Thus, the planet gets warmer every day, with extreme droughts and intense rains. The greenhouse gases are fundamental to keep the planet warm, but what worries is the expressive increase of their concentrations in the atmosphere. Human activities contribute to the emissions of these gases mainly through the deforestation and burning of fossil fuels. In cities, the forests lose space for the constructions that accompany the demography. In addition to the aesthetic value, urban forests play a fundamental and necessary role in the provision of ecosystem services, as well as representing urban reference. Because of their high potential for carbon sequestration, urban green soils can be considered good compartments in increasing city resilience to future climatic extremes. Thus, the objective of this work was to estimate the emissions of greenhouse gases - carbon dioxide - CO2, methane - CH4 and nitrous oxide - N2O - from the soil of four urban forests distributed in a center-periphery direction. The selected areas were Trianon Park [PT], Parque Alfredo Volpi [PAV], the State Park of Fontes do Ipiranga [PEFI] and Parque do Carmo [PC]. The effects of the size and / or geographic location of the urban forest on the GHG emission were evaluated, as well as the possible correlations between meteorological and edaphic factors (temperature and humidity). Regarding methane emissions, it was observed that the highest values were recorded in the PEFI and the lowest in the PT. In relation to CO2 and N2O, the highest medians recorded occurred in the PT, probably associated to the higher content of organic matter present in the soil. It was observed that some meteorological variables were related to GHG emissions, with emphasis on the average air temperature vs. emission of carbon dioxide and nitrous oxide, in addition to precipitation and water excess with these same gases, respectively. Rainfall showed an inverse relationship with CH4 emission. There was also a low association between the carbon [C] and nitrogen [N] stocks of the soil with CO2, and N2O emissions. Multidimensional non-metric multivariate analysis [NMDS] showed homogeneous groups, especially the PT that stood out from the other three study areas. The results show that urban forests function as good reservoirs of C and N and that public policies such as the Atlantic Forest Municipal Plan could be based on the results of this work to propose the increase of protected areas that contribute to the maintenance of important key processes to the resilience of cities to climate change. In summary, the soils showed low emitted GHG flows and high C and N stock potential. The PT was the park that stood out from the others, either for the emission of CH4 or the other compounds [CO2 and N2O], fact that reinforces that both the size of the area, its location or edaphic structure are relevant attributes in the dynamics of C and N in urban areas.
Palavras-chave: mudanças climáticas
serviços ecossistêmicos
ciclo do carbono
ciclo do nitrogênio
climate change
ecosystem services
carbon cycle
nitrogen cycle
Área(s) do CNPq: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Nove de Julho
Sigla da instituição: UNINOVE
Departamento: Administração
Programa: Programa de Mestrado em Cidades Inteligentes e Sustentáveis
Citação: Souza, Raquel Cristina de. Fluxos de gases de efeito estufa [GEE] em florestas urbanas de São Paulo, SP: uma análise da contribuição das áreas verdes na resiliência da cidade. 2019. 65 f. Dissertação( Programa de Mestrado em Cidades Inteligentes e Sustentáveis) - Universidade Nove de Julho, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/1995
Data de defesa: 25-Mar-2019
Appears in Collections:Programa em Mestrado em Cidades Inteligentes e Sustentáveis

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Raquel Cristina de Souza.pdfRaquel Cristina de Souza1,07 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.